Wednesday, October 7, 2009

Da Febre

whisper
Suspira o ar ...
Embalo de indecente orgia
Embotamento gélido
A gritar na pedra áspera

A penumbra putrefacta
No vírus celebra circuito
Clama frémito assustado
À luz da sombra

A permanência
alisa a mente
Desvela as orlas
Do cinzento

nas lombalgias
Do céu
Obscuro granito
transpira silêncio
em transe alinhado
No coração do Sol

© MagnetikMoon MMIX




6 comments:

DarkViolet said...

O sol mistura o ar nos seus gritos, enquanto a febre brinca com as luzes. resta esperar os dias em que as sombra provenham das luzes

Lord of Erewhon said...

Gostei do poema; tem imagens incomuns.

Ruela said...

Excelente!

Luiz Clédio Monteiro said...

lindo, lindo...

esotu seguindo seu blog

Ruela said...

Boas Festas!

Abraço.

Lady Candlelight said...

Que bom voltar a ler-te
Bj